Novidades - 18 de fevereiro de 2014

Da Vogue ao Instagram

A revista Vogue, que completou 120 anos em 2012, sempre foi considerada a bíblia da moda feminina. Através da visão dos seus editores, a publicação transformou o mercado da moda em todo o mundo, lançando estilistas, tendências e objetos de desejo para as mulheres, que a utilizavam como referência sobre como se vestir.

Em 1988, quando Anne Wintour ( a editora que inspirou o filme ‘O Diabo veste Prada’) assumiu o cargo de editora-chefe, a revista passou por uma transformação radical e ganhou um tom mais comercial, lançando modelos, estilistas e novos produtos de forma meteórica. Tudo o que estava em suas páginas, era “in”. A partir daí, milhares de outros veículos passaram a imitar a fórmula da Vogue, movimentando um mercado de milhões de dólares entre anúncios, vendas e parceiros.

O mercado seguiu neste formato por um longo tempo até a revolução da internet, quando entraram em cena as blogueiras, potenciais formadoras de opinião. De forma mais democrática e versátil, pois cada uma tem um estilo próprio, estas jovens antenadas foram conquistando cada vez mais seguidoras atraídas pelas dicas de moda, beleza e comportamento.  Além de fashionistas, empreendedoras visionárias! Blogueiras como Thassia Neves, Lalá Noleto e as Garotas Estúpidas abriram espaço para um novo tipo de anúncio: o post no blog ou no Instagram.

As citações podem custar até 20 mil reais e o retorno é garantido, pois a fórmula é a mesma da mídia espontânea. Como elas postam como se fosse uma indicação delas, os seguidores acreditam muito mais do que num anúncio de revista, por exemplo. E este mercado não para de crescer, formadores de opinião das áreas de fitness, por exemplo, não param de engordar seus cofrinhos sarados com dicas sobre produtos e alimentação saudável! Anne Wintour que se cuide…